sábado, 7 de dezembro de 2019

Fim de expediente

Gravo pro Youtube e produzi mais um na primeira semana de dezembro. Desde a quinta (05) o material está pronto, mas eu simplesmente esqueci de postar! Na correria, fiquei com a sensação de já ter feito isso, mas não fiz. Então vai agora (sábado, 07). Eis o vídeo da semana:

sábado, 23 de novembro de 2019

A desconhecida

Ninguém sabe como é a morte, ela usa vários disfarces. Pode, por exemplo, chegar se anunciando com uma doença incurável, mas pode chegar sem aviso num acidente. Ninguém consegue explicar o que sente quando ela aparece para alguém próximo. E ninguém, além de Jesus, voltou pra dizer como é (ou pode ser) depois do encontro com ela. É uma desconhecida.

A resposta da ciência não agrada, define a morte apenas como o fim, onde as células não se recuperam mais, o organismo não tem energia e o ser deixa de existir. Enquanto a resposta religiosa traz alento com promessa de recomeço e vida eterna. Mas as diferenças de credo atrapalham no convencimento e não permitem certezas, apelam invariavelmente para a fé.

Quanto a mim, sou Cristão e acho as respostas de Jesus sobre como viver a vida e jamais perdê-la, as mais belas e sensatas. Prefiro o alento da fé e por isso tento alimentá-la cotidianamente, mas confesso que não é fácil. A cada perda nesta vida, uma resposta fica pendente e torna necessário aumentar a fé.


Vejo a morte de um famoso como Gugu Liberato e a repercussão que isso gera, com milhões de pessoas comentando. Em sua grande maioria, as pessoas pedem a Deus que conforte os parentes e, alguns vão além, trazem fé professando certezas do tipo: ele agora está melhor, brilha no céu, tá do lado de Deus... Uma infinidade de frases batidas, poéticas, repetidas e rasas. Não obstante, claro, sempre recheadas de verdadeira boa intenção!

Mas eu me pergunto: que Deus vai consolar a família?

O de Jesus, que já se apresentou e trouxe suas respostas sobre a morte... Ou o dos Judeus, que ainda não tem feições conhecidas? Ou o dos muçulmanos que, além de não ter feições definidas tem alguns inquirimentos diferenciados? E se é Jesus, é aquele filho de Maria Santíssima e que chamou tantos amigos à morada do Pai (os santos), ou aquele Jesus que não permite olhar para sua mãe com devoção, e vai castigar quem fizer isso? Será ainda aquele Deus que te reenvia ao mundo em outro corpo e com a memória apagada, para tentar fazer o que você ficou devendo (ainda que você não saiba o que foi)? Sim, são muitas interrogações.

Tudo isso me parece a definição de um povo que não sabe muito bem o que dizer sobre a morte. Que não amadureceu a fé nem se convenceu da resposta científica e empírica sobre nossa existência e o fim ou o recomeço dela. Todos temos teorias. Mas e a certeza?

Para cada morte que vi, eu li e ouvi os mesmos consolos. Mas o que aconteceu? A morte foi bem aventurança ou perdição eterna? Foi apenas o fim? Foi um recomeço desconhecido? Você só conseguirá responder com a sua fé. A ciência não cansa de buscar novos fatos e as religiões desistiram deles, para apenas definir como mistério.

Volto a dizer: minha melhor escolha é alimentar a fé, e faço isso observando a crença e a descrença de outras pessoas. Faço isso me reunindo com pessoas que professam a mesma fé que eu, faço isso falando com aquele que acredito ser Deus. E ele responde à minha consciência, me promove instantes de uma paz inquieta, que me dá paciência para lidar com as próximas dúvidas.

Pela minha fé, apresento minhas dores e as do mundo ao Deus que venceu a morte. Mas não ouso pedir isso sem antes pedir mais fé! E que ela seja madura, que não seja hipócrita, que não seja da boca pra fora. Que minha fé renasça a cada dia como fruto das minhas dúvidas, que eu assista cada morte como uma aula sobre a vida.

Que eu aprenda que tudo passa e eu preciso mesmo ter fé, para plantar sementes de amor e dar frutos de caridade, porque não há outro destino a não ser esse mergulho definitivo no mar de dúvidas chamado de morte, onde o único salva vidas conhecido ensina a fazer assim.

Obrigado por sua leitura!

sábado, 26 de outubro de 2019

Camisa Rota do Sol MotoFest

Na quinta, dia 24/10/2019, postei no YouTube um vídeo promocional do Rota do Sol Motofest, que acontece em João Pessoa.

Foi ofertada uma camisa amarela (tamanho G) do evento. Todos que comentaram no vídeo informando querer concorrer, estiveram no sorteio.

O contemplado foi Severino Ramo.  Entrarei em contato para acertar o envio.

Muito obrigado a todos que participaram!

sexta-feira, 23 de agosto de 2019

Alguém espera por mim?

Apesar do título, esta não é uma postagem de conteúdo romântico ou apaixonado, todavia tem sim um tom nostálgico em meu coração. Ando com saudade de me colocar por onde já andei e achava que não pararia até alcançar meu ápice, mas acabei parando pelo caminho, bem antes de qualquer sucesso.

Estou falando da minha presença aqui, no meu espaço virtual. No blog, no YouTube, na web rádio, gerando conteúdo. Falando, entretendo, provocando. Isso é o filé mignon da minha existência, é certamente o dom depositado em mim pelo criador. Eu gosto e me realizo quando executo uma obra de comunicação e, embora faça isso diariamente no rádio tradicional, só aqui, nos meus domínios é que posso me expandir, falar além do script, acertar sem medo de errar.


Descobri que poderia alcançar essa expansão no dia em que comprei o primeiro computador e achei o Orkut muito pequeno. Queria blog, domínios personalizados, canal no YouTube, web rádio, podcast e tudo o que fosse possível. Ainda sem saber usar todas as ferramentas, fui criando, reuni uns poucos seguidores e, por um breve momento tive, mesmo que desajeitado, tudo aquilo que desejava para transbordar um pouco dos meus incontáveis pensamentos possivelmente úteis à humanidade.

Só que eu deixei de ter tudo isso. 2019 me reservou algumas surpresas desagradáveis... De perdas em família a queda de moto, passando por maus negócios e quebras de equipamentos, me aconteceu um pouco de tudo. Fiquei sem computador, vendi moto e desativei hospedagens de sites (por necessidade de segurar verbas). Tentei trabalhar mais para recuperar, e fiquei com menos tempo também. Portanto foi um ano impróprio para minha desejada e venerada presença ativa na rede. Por uma questão de preservação do seu tempo, encerro aqui o resumo dos problemas que me afastaram dessas bandas.

Agora, eu venho aqui para dizer que estou quase pronto para voltar, inclusive com novos projetos. Mas como trata-se de um retorno a um público que ainda estava longe de orbitar na casa dos milhares, eu quero saber se sobrou alguém aí pra me receber de volta. Uma pessoa para ler meus textos, ouvir minha rádio, assistir meu canal no YouTube. É... Um, dois ou três amigos. Alguém espera por mim?

Vou caprichar na interrogação... Ela pode ser um teaser, um enigma, a logomarca de um novo projeto. Olha só:

Posso voltar